Seus olhos.



Era um dia normal, começo de verão. O Sol estava lindo e o céu azul, porém encontrei um par de óculos no meio da multidão, um cabelo cacheado que eu adorava bagunçar e as mãos mais lindas. Fiquei ali parada, apenas olhando até que ele me percebeu também e infelizmente abriu um dos sorrisos mais lindos, aquilo acabou comigo!
 Numa noite fria de inverno ele me disse adeus e nem olhou para trás, procurei e procurei mas ele precisou ir, precisou me deixar. Jurei que nunca mais iria olhar nos olhos dele, nunca mais desejar ser abraçada por ele e nunca mais tocar seus cabelos. Ele tentou me explicar mas a única coisa que minha mente pensava era no frio que eu estava sentido, só que no coração. Jurei atoa.
 Ele se aproximou, me olhou fixo e disse:
-Olá, disse sorrindo.
 Nesse momento todas as juras voaram junto com meus cabelos, meu corpo tremia e minha mente girava, olhei fixo também..
 -O-i, Pedro!
 -Está tudo bem? Perguntou.
 -Não!
 - Posso ajudar em algo?
 -Pode, começa por sumir da minha frente. Implorei para o vento levar minhas lágrimas também, mas ele se recusou..
 -Hãn? O que eu te fiz, Larissa?
 -Fala sério? Você me deixou em pedaços, se foi sem despedir, se foi e levou parte de mim! Ainda me pergunta o motivo?
 - Eu precisei, nunca te esqueci assim como eu sei que você também não. Não faz isso!
 -NÃO FAZ VOCÊ! Sai, me deixa passar..
 -Eiiii, para com isso!
Ele me segurou forte pela cintura e continuou me olhando, nesse momento o mundo parou e parecia que só existia eu e ele, só nós dois.
 -Me solt-a
Foi nesse instante que suas mãos contornaram meu rosto um pouco quente por conta do calor e fez caricias com os dedos como antigamente. Fechei os olhos e pensei em tudo, minha mente não parara por um segundo só, até que em uns segundos nossos lábios se conectaram e uma explosão de borboletas que eu nem sabia que existia em mim, voaram!
Quando pensei em abrir os olhos ele estava sorrindo me olhando.
 -Você continua romântica, não é mesmo?
 -Me explica por favor, qual o motivo da sua partida?
Ele me convidou para sentar numa praça perto, sem soltar minha mão, confesso que fiquei incomodada com aquele toque, sua mão era tão macia.
 -Eu precisei partir, minha família passou por um momento muito complicado, minha mãe teve os surtos novamente e meu pai saiu de casa. Então eu levei ela para a casa da minha tia, fora do país. Eu ia te levar junto mas você estava fazendo sua vida aqui em São Paulo, estava entrando na faculdade e não queria te incomodar, por isso eu fui durante esses meses, sempre achei que eu te atrasava, foi bom para pensar mas foi horrível ficar longe de você, Larissa.
 -Não entendo ainda, custava me falar? Você me deixou com tantas dúvidas, isso que mais me machucou..
 -Perdão, mas acho que você ficou melhor sem mim, se eu te explicasse você ia querer ir junto e não queria te atrapalhar novamente, já te fiz sofrer muito com meus problemas..
Ele pegou minhas mãos e me abraçou, um abraço longo e que conectou todas as falhas deixadas.
 -Eu voltei para te ver e te explicar, está melhor?
 -Estou sim, obrigada! Você vai voltar?
 -Vou sim, a gente pode manter contato por internet, ok?
 -Ok, não quero te prender e não quero mais me prender em você, estamos melhor afastados. O tempo cura tudo, não é mesmo?
 -Sim, Lari! O tempo dirá nosso futuro, mas continuo te amando e muito!
Eu ri baixo, aquilo fez meu coração se alegrar. Ele levantou e me deu um beijo na testa, depois me envolveu em seus braços por alguns minutos. Trocamos olhares até ele se perder na multidão novamente, mas meu coração estava tranquilo e em paz. Voltei para casa de trem, olhando a pressa pela janela e como as pessoas esquecem do valor real das coisinhas mais simples, um olhar!

Anny

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

15 Primaveras

Fotos que acalmam a alma.

Entrevista com Vanessa Brunt -Sem Quases-