Meu profundo eu!



Às vezes falam que sou muito fechada em relação meus sentimentos, o que de fato me inspiro nesse texto. Não gosto de demonstrar, nunca gostei! Coisinhas bobas eu nem me importo, um drama faz bem mas quando é algo mais complexo, que dói além da carne, guardo para mim, em mim. No meu profundo sono, ou nas minhas letras de músicas, no café derramado ou na franja mal cortada. Não gosto de preocupar quem eu gosto, mas adoro que me cuidem. Às vezes o que mais nos cura desses poços sem saída são algo do cotidiano, no meu caso é a escrita. Ou ver minha mãe de bom humor. Ah como ela é linda sorridente! No meu profundo, lá no fundinho mesmo eu sou eu mesma.
 
 
 
 
 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

15 Primaveras

Fotos que acalmam a alma.

Entrevista com Vanessa Brunt -Sem Quases-